sexta-feira, 3 de abril de 2009

F43.2 Transtorno de Adaptação

Esta categoria difere das outras na medida que sua definição não repousa exclusivamente sobre a sintomatologia e a evolução, mas igualmente sobre a existência de um ou outro dos dois fatores causais seguintes: um acontecimento particularmente estressante desencadeia uma reação de "stress" aguda, ou uma alteração particularmente marcante na vida do sujeito, que comporta conseqüências
desagradáveis e duradouras e levam a um transtorno de adaptação.


Embora fatores de "stress" psicossociais ("life events") relativamente pouco graves possam precipitar a ocorrência de transtornos ou influenciar-lhes o quadro clínico, nem sempre é possível atribuir-lhes um papel etiológico, quanto mais que é necessário levar em consideração fatores de vulnerabilidade, freqüentemente idiossincráticos, próprios de cada indivíduo; em outros termos, estes fatores não são nem necessários nem suficientes para explicar a ocorrência e a natureza do transtorno observado. Em contraste, para os transtornos reunidos aqui sob F43, admite-se que sua ocorrência é sempre a conseqüência direta de um "stress" agudo importante ou de um traumatismo persistente. O acontecimento estressante ou as circunstâncias penosas persistentes constituem o fator causal primário e essencial, na ausência do qual o transtorno não teria ocorrido.

Os transtornos reunidos neste texto podem assim ser considerados como respostas inadaptadas a um "stress" grave ou persistente, na medida em que eles interferem com mecanismos adaptativos eficazes e entravam assim o funcionamento social. Num mundo onde tudo tem que ser feito para ontem, torna-se difícil manter a calma frente ao “fazer”, todos os dias temos que fazer inúmeras coisas e cada segundo que passa é um segundo a menos que temos para realizar nossos objetivos.

Desejar fazer algo passa por planejar e organizar a ação antes de colocá-la em pratica, mas num tempo onde não temos tempo para planejar direito ou organizar os atos antes de praticá-los, nos submetemos a tomar atitudes sem pensar em nos mesmos, no quanto estamos nos agredindo e nos desgastando para dar conta de nossos desejos e do julgamento daqueles que nos rodeiam.

Temos escolha?

Escolher se preservar passa necessariamente por organizar o dia e o tempo, mas para isso é necessário olhar para dentro de si e com isso olhamos nossas fraquezas e nossas frustrações, não é fácil parar o barco que já esta numa corredeira, mas se isso não for feito prepare-se para enfrentar o f-43.

Um comentário:

Francivaldo rodrigues mota disse...

no inicio do meu transtorno eu planejava assassinar todos os membros da empresa que trabalho ,pois fui humilhado pelo gerente mas depois de seis meses de tratamento conseguir mudar a ideia mais foi por um tris meu cid: f43,2;f32; etc